Evidentia da semana #102019

Recomendações elaboradas sistematicamente

Diarreia infecciosa: JAMA resume guideline da IDSA https://t.co/ZxEJsm1Lmv #guideline

Revisões sistemáticas

Paracetamol na osteoartrose do joelho e anca: melhoria mínima na dor e funcionalidade. Autores recomendam rever guidelines. https://t.co/WWYqQoj3s6 #revisaosistematica

Prematuros: vale a pena suplementar com iodo? Não. Não se associou com qualquer benefício para estas crianças. https://t.co/TG0vuQlNSv #revisaosistematica

Yoga para incontinência urinária nas mulheres. Tentaram fazer uma revisão sistemática mas não há dados de qualidade. Boa linha de investigação! https://t.co/xA3z8eXjx7 #revisaosistematica

Lavar os dentes com pasta fluorada previne cáries quando comparada com pasta não fluorada. Qual a dose adequada não é claro. Nota pessoal: perante isto mantenho a recomendação da cabeça do dedo mindinho da criança. https://t.co/U6d1ymdJjm #revisaosistematica

Quais as melhores recomendações para tratamento de dor musculo-esquelética? 11 recomendações provenientes de guidelines de elevada qualidade. https://t.co/3OmxKwoqHW #revisaosistematica https://t.co/3CJHRflR74

Diabetes: eficácia e segurança dos novos iSGLT2 em doentes com diabetes e doença renal. Revisão sistemática que tranquiliza https://t.co/mgLOQt4EEX #revisaosistematica

Cardiovascular: iPCSK9 e MACE (major adverse cardiovascular events). Atenção que reportam riscos relativos que são sempre mais impressionantes que os absolutos. https://t.co/Y3dxwLXLmI #revisaosistematica

Inibidores da bomba de protões associados a maior risco de fractuca do colo do fémur. Recomenda-se avaliação frequente da necessidade do seu uso crónico. https://t.co/DP8Je0zRou #observacional #metaanalise

Estudos primários

Vacina sarampo, rubéola, parotidite: – não aumenta o risco de autismo – não desencadeia autismo em crianças suscetíveis e – não se verifica agrupamento de casos de autismo após a vacinação https://t.co/KSiKDkOGDT #coorte

Epidemiologia das doenças crónicas – EpiChron Cohort Study. Uso inadequado dos serviços de saúde e resultados de saúde em doentes com multimorbilidade. 41% pessoas com 45-64 anos e 77% das pessoas >65 anos têm multimorbilidade. https://t.co/8eNvnFbLyS #coorte

Queratose actínica: ensaio clínico que testa 4 estratégias diferentes. Fluoracilo tópico 5% foi a mais eficaz https://t.co/xTgCboJCd2 #eca

Depressão que não responde a tratamento com uma das abordagens clássicas (terapia cognitivo comportamental ou medicação antidepressiva) – o que fazer? Adicionar a outra abordagem. https://t.co/2JVCPWqCCH #eca

Programa de perda de peso pode levar a remissão mantida da diabetes 2 anos depois. https://t.co/cWZN9tskqf #eca

Estatinas nos doentes de elevado risco cardiovascular. Relação inversa entre adesão à terapia e mortalidade. https://t.co/GmmtYkJPG6 #coorte

AAS e cancro da próstata: apesar dos benefícios teórico não parece reduzir o risco de morte por cancro da próstata. Permanecem dúvidas com uso a longo prazo (análise secundária com uso >7,5 anos deu benefício). https://t.co/nBRKge9esh #coorte

Terapia Hormonal de Substituição de longa data associada a maior risco de doença de Alzheimer. https://t.co/6kM5Fv1gKw #coorte

Opinião, Regulação e Apoio à Decisão

Prediabetes: revista science diz que criámos milhões de doentes com um diagnóstico dúbio. Os riscos do excesso de prevenção. https://t.co/SR3s2fzHLu #opinião #overdiagnosis

Depressão: FDA aprova fármaco intranasal para tratamento adjuvante da depressão https://t.co/RrhUbCpihy #regulação

A importância das sínteses de evidência qualitativa. Porque nem tudo é quantificável, muitas vezes importa perceber o porquê ou qual a experiência. https://t.co/0t17EI23TR #opinião

Artrose do joelho, o que fazer? O JAMA explica. https://t.co/Ct4mxfond9 #apoioàdecisão

Anúncios

Obesidade, perda de peso e ganhos em saúde – notas de evidentia #6 | 2019

Por Joana Pinto Pereira

Que ganhos em saúde, perda ponderal e efeitos adversos há na intervenção comportamental e farmacológica para a perda ponderal em adultos com excesso de peso/obesidade?

O que fizeram?

Revisão sistemática (122 ECR e 2 estudos observacionais, com follow-up mínimo de 12meses) incluindo 272.526 indivíduos adultos candidatos a intervenção para perda ponderal ou manutenção da perda, em contexto de CSP. Estratificaram as intervenções em quatro grupos: intervenção comportamental para perda ponderal (ICPP), intervenção comportamental para manutenção de perda(ICMP), intervenção farmacológica para perda ponderal (IFPP) e intervenção farmacológica para manutenção de perda (IFMP); comparando os resultados obtidos para cada intervenção contra controlos. As intervenções farmacológicas incluíram uso de liraglutido [1,8 ou 3mg], lorcaserina [20mg], naltrexona/buproprion [32/360mg], orlistato [360mg] e fentermina/topiramato [7,5/46 ou 15/92mg].
Foram avaliados, em cada tipo de intervenção, os outcomes: 1.ganhos em saúde (mortalidade por todas as causas, eventos CV, qualidade de vida QOL), 2.perda/manutenção ponderal e patologias relacionadas com obesidade (diabetes tipo 2, hipertensão, dislipidemia, síndrome metabólico e risco CV), 3.efeitos adversos.

O que concluem?

Intervenções comportamentais para perda ponderal, com ou sem intervenção farmacológica, levam a maior perda ponderal e menor risco de desenvolver diabetes; apenas as intervenções farmacológicas se associaram a efeitos adversos.

Notas: 1.Ganhos em saúde: a mortalidade por todas as causas parece ser inferior nas ICPP, não havendo diferenças significativas no número de eventos CV e apenas nas IFPP houve melhoria da qualidade de vida QOL face a placebo.
2. Maior perda/manutenção ponderal e menos ganho após interrupção terapêutica com qualquer intervenção face aos controlos; incidência de diabetes tipo 2 inferior nos grupos com ICPP e intervenção farmacológica; estudos inconclusivos quanto a outras patologias relacionadas com obesidade.
3.Efeitos adversos pouco graves mas mais frequentes nos grupos sujeitos a intervenção farmacológica, condicionando maior taxa de abandono deste tipo de intervenção.
A abordagem da obesidade mediante intervenções comportamentais para perda/manutenção ponderal é benéfica e acarreta poucos riscos (evidência B1)



LeBlanc, Erin S., et al. «Behavioral and Pharmacotherapy Weight Loss Interventions to Prevent Obesity-Related Morbidity and Mortality in Adults: Updated Evidence Report and Systematic Review for the US Preventive Services Task Force». JAMA, vol. 320, n. 11, Setembro de 2018, pp. 1172–91. jamanetwork.com, doi:10.1001/jama.2018.7777. ligação aqui

Create a website or blog at WordPress.com

EM CIMA ↑