Update Covid semana #32

07/08/2020
Esta semana fica marcada pelo ressurgimento da discussão à volta dos testes rápidos para a COVID19.

Os testes baseados em RT-PCR com amostras nasofaríngeas são lentos e exigem logística e recursos. Alguns autores apontam ainda o facto deles detectarem RNA e que isso não nos informa sobre transmissibilidade daquele indivíduo. Os testes rápidos têm sido testados ao longo da pandemia e com resultados sempre desanimadores (demasiados falsos positivos) mas foram aprimorados e há autores que reclamam resultados equivalentes aos da RT-PCR em poucos minutos a baixo custo. Fica aqui um bom ponto da situação sobre estes testes publicado hoje mesmo na revista Science.

Continuamos atentos aos efeitos a longo prazo da COVID19. A Lancet dá conta de potencial impacto estrutural a nível cerebral (significado clínico incerto) e apesar de que pouco ainda se sabe, parece claro que uma percentagem de doentes (estima-se 10-15%) pode manter sintomas após a fase aguda, particularmente fadiga e dispneia.

O projecto COVID Symptom Study que uniu investigadores do King’s College de Londres a uma empresa tecnológica para criar uma aplicação de seguimento de doentes COVID19 revela 6 clusters ou tipos de doentes.

Leia os detalhes aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.