Update Covid semana#30

24/07/2020

Continuam a sair estudos sobre a seroprevalência da COVID19. Nos Estados Unidos um estudo reporta entre 6 a 24 vezes mais infectados que os dados oficiais provenientes de diagnósticos. A prevalência máxima reportada foi de 6.9% em Nova Iorque.

Em Portugal tivemos ontem a notícia (estudo ainda não publicado) que dá conta que o estudo do INSA revela uma prevalência de 3% de infectados. Isto significa que o número real de pessoas infectada com SARS-CoV-2 é seis vezes superior ao número de casos confirmados, com teste PCR-RT positivo, pelas autoridades de saúde.

Entretanto há duas revisões sistemáticas Cochrane relevantes: esta reviu a acuidade diagnóstica de sinais e sintomas que permitam identificar COVID-19. Conclui que nem a ausência nem a presença de qualquer sinal ou sintoma têm suficiente precisão para excluir ou excluir a doença. Esta outra revisão revê a utilidade dos testes de anticorpos para a COVID19 e revela que têm… pouca ou muito incerta utilidade. Mesmo para estudos de prevalência populacional há incerteza. Vale a pena ler.

Notas rápidas para:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.